terça-feira, 29 de julho de 2014

AMOR

AMOR

Ouvir a voz,
Respirar o cheiro,
Sentir as mãos,
Amor...
Aos poucos,
 desvendando.
Devagar,
saboreando.
A cada desnudar
Sentimos
O brilho do olhar.
Amor...
Tua língua
Provocando-me
Amor...

***


Entro pela tua alma distraída
Salto em tuas janelas
Sem tapumes, sem taperas
No mergulho da vida
Piso leve em teus sentidos,
Descobrindo teus esconderijos.

@ Renata Cordeiro

6 comentários:

Daniel Costa disse...

Renata

Visto assim, de modo tão romântico, tanto como a poesia o torna, ele é deveras encantador. É enternecedor!
beijos querida

PAULO TAMBURRO. disse...

RENATA,

e ainda bem que amor, com a amor se paga!!!

Um abração carioca.

Evanir disse...

Minha Querida Amiga.
Mais um final de semana ,
ais uma semana que ficou para trás.
Desejo um final abençoado e um Domingo abençoado.

Nilson Barcelli disse...

O amor pode ser vivido de inúmeras maneiras.
A que encontraste neste poema, que resumiria de vagaroso e sem tapumes, foi descrita com belas imagens poéticas.
Gostei muito, querida amiga Renata.
Beijo.

APENAS PALAVRAS disse...

Toda vez que eu abro a pagina de um blog novo me surpreendo com a infinidade de conhecimento despejado em cada pagina... Confesso que quando entrei na sua pagina fiquei fascinado com o dom e sua escrita, a qual nos faz pensar e refletirmos em cada detalhe... Visto que os detalhes maiores estão nas linhas das curvas e no olhar penetrante de uma mulher... Convido-a, a fazer parte do meu espaço... www.uanderesuascronicas.blogspot.com

PEQUENOS DELITOS RENOVADOS disse...

Muito lindo...
Muito, muito lindo!!!