sábado, 22 de março de 2014

LOUCO, O CORAÇÃO


LOUCO, O CORAÇÃO


Louco, o coração rasgou-me o peito, estilhaçou a vidraça do quarto e desobediente, voou a procurar-te. 
Parou na tua rua, viu a luz lá dentro e bateu à porta suavemente. 
Como eu antes fazia. 
Quando abriste, se apertou contra ti, tremendo de emoção e assim ficou sem dizer nada... 
Como eu antes fazia. 
Depois beijou-te a boca com a urgência da saudade, sentiu o teu cheiro, tocou-te o corpo, procurando o teu desejo, alimentou-se de ti... 
Como eu antes fazia. 
Saciado, deixou-te só, depois do abraço apertado como cordas, forte como amarras... 
Depois das palavras sussurradas com voz quente...
Como eu antes fazia...
Quando te vi chegar, o meu coração ferido, esse teimoso indomável, não teve coragem de te castigar... 
Recolheu-te com carinho e tratou das tuas feridas. 

5 comentários:

Daniel Costa disse...

Querida Renata, o coração é louco, ele é o depósito do intenso amor. Que amor sempre seja como dantes, como está no bonito e interessante poema.
Beijos de amizade

Fernando Santos (Chana) disse...

Belo poema...Espectacular....
Cumprimentos

Blue disse...

Coração todos temos.
Louco, todo mundo é um pouco.
Das feridas do amor, isto só os eternos amantes sabem tratar.

Beijo

Olhos de mel disse...

Querida Renata; olhe eu aqui conhecendo esse espaço maravilhoso?
É incrível como nosso coração acaba sofrendo as faltas, as ausências, a saudade. Ele se acostuma tanto com as pessoas que acabam voltando aos lugares e querendo retomar a vida, onde ela ficou parada.
Amei amiga! Você disse tudo.
Beijos

Nilson Barcelli disse...

O coração nunca obedece, tem vontade própria...
Magnífico poema, gostei muito.
Renata, tem um bom fds.
Beijos.